Todas las entradas de: CIHA

AHILA 2020 Paris: Simposio nº15 – Ser indígena en la América Latina de los siglos XIX y XX

Estimadas/os colegas,

Me complace informaros e invitaros a participar en el Simposio nº15 – Ser indígena en la América Latina de los siglos XIX y XX: categorizaciones externas, autoidentificaciones y coyunturas en el XIX Congreso de AHILA que tendrá lugar en Paris (Université Paris 1 Panthén-Sorbonne), del 1 al 4 de septiembre de 2020.

La coordinación de este simposio está a cargo de la Dra. Anna Guiteras Mombiola  (Universitat Pompeu Fabra, España —anna.guiteras@gmail.com) y la Dra. Alejandra Boza Villarreal (Universidad de Costa Rica — boza.ucr@gmail.com).

Resumen del simposio: Seguir leyendo AHILA 2020 Paris: Simposio nº15 – Ser indígena en la América Latina de los siglos XIX y XX

Lançamentos do livro Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul

Car@s colegas,

A Editora Ufgd fará hoje 3.4.19 no auditório da reitoria, a partir das 19h, o lançamento coletivo dos livros publicados por ela em 2018; entre eles está o nosso, Povos Indígenas em MS.gra

O evento é realizado e divulgado pela Ufgd. Estou só lembrando por aqui às autoras e aos autores que estiverem em Dourados, caso não saibam ainda do evento. Se forem participar, será bom revê-l@s.
Por outro lado, o PPGH, com apoio da editora, fch, faind e reitoria, está organizando um lançamento do livro Povos Indígenas em MS para o dia 12 de abril, no auditório central da unidade 2 da ufgd, para as 16:30h, com uma conferencia da Profa. Manuela Carneiro da Cunha, sobre o livro. Ela também dará a aula magna do mestrado da Faind, à noite, 19:30h, no mesmo local.

A divulgação oficial do evento ainda não saiu pois a passagem da Profa. Manuela ainda não foi comprada. Seria muito bom estarmos junt@s neste dia e acompanharmos as falas da colega de São Paulo. Quem reside na Grande Dourados e tiver condições de mobilizar suas turmas e seus grupos e redes sociais, seria ótimo; pois entendemos que a vinda da Manuela a Dourados é muito oportuna e poderá contribuir positivamente em nossa caminhada. Para os que não residem em Dourado, intentamos sem sucesso conseguir os meios para se deslocarem até aqui a fim de comemorarmos junt@s o livro, numa jornada alusiva à obra e aos povos nela estudados. Mas … não deu. Mesmo assim, lhes convidamos e se alguém puder vir por seus próprios meios nos avisem por favor.

Aproveito a oportunidade para lembrar que algumas autoras e autores residentes na Grande Dourados não pegaram ainda seu exemplar do livro disponível no CDR – Centro de Documentação Regional, da FCH, no campus 2. Há também entre @s que residem fora da Grande Dourados, quem ainda não enviou seu endereço, sem isso não podemos lhes enviar seu exemplar.

Cordial abraço e até breve.
Graciela Chamorro

Publicação do livro Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul

Prezados e prezadas colegas:

Compartilhamos com vocês a publicação em papel do nosso livro.

O livro saiu com novo ISBN e o ano de publicação é 2018.

“Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul: História, Culturas e Transformações Sociais”.

A gráfica que imprimiu o livro é a Pallotti de Santa Maria – RS, que fez um excelente trabalho, valorizando assim muito o esforço de cada pessoa no livro. Agradecemos a tod@s mais uma vez por participar desta obra. Segue em anexo uma resenha publicada sobre o livro (e-book) em 2017, e alguns artigos na mídia local (Dourados/MS) sobre a publicação em papel.

Para enviar-lhes seu exemplar, gostaria que me atualizassem seus endereços físicos e me remetessem, por e-mail. Desde já muito agradecida Seguir leyendo Publicação do livro Povos Indígenas em Mato Grosso do Sul

SCRIPTA AUTOCHTONA 22 – El Delegado y sus Caciques

Isabelle Combès

El Delegado y sus Caciques.
Leocadio Trigo en el Chaco Boliviano
(1904-1909)

Liberal convencido, apasionado patriota devoto del progreso, anticlerical decidido y hasta excomulgado, el Dr. Leocadio Trigo fue un personaje polémico. Como primer Delegado nacional del Gran Chaco en la primera década del siglo XX, quiso afirmar la soberanía boliviana sobre tierras incógnitas y “civilizar” a los indígenas para integrarlos a la nación. Su política indigenista hacia chiriguanos y tobas también desató pasiones y resistencias criollas, franciscanas y nativas. Cada uno a su manera, tobas y chiriguanos supieron hallar en la misma “civilización” impuesta las armas para luchar contra ella.

Seguir leyendo SCRIPTA AUTOCHTONA 22 – El Delegado y sus Caciques